Cunha é opção de férias de verão na montanha com belas paisagens, passeios e diversão

Cidade oferece o que tem de melhor para seu turista: natureza, tradição e boa gastronomia

Cunha_igreja matriz 24

Montanhas, vales, paisagem exuberante, sossego, gastronomia, artesanato. Isso e muito mais é o que o turista encontra na Estância Climática de Cunha, cidade do Alto Vale do Paraíba, no interior de São Paulo. A cidade é um ótimo destino para as férias de verão, pois além das belezas naturais da Serra do Mar, o município tem fácil acesso para as praias, devido à sua proximidade com Ubatuba e Paraty, cidades litorâneas de São Paulo e Rio de Janeiro, respectivamente.

Uma cidade que traz em suas ruas marcas da história do Brasil, com diversas construções tombadas pelo Patrimônio Histórico, incluindo a Igreja da Matriz, que foi construída em 1731 e está passando por restauração. Essas evidências históricas remetem à época em que Cunha era rota dos tropeiros que percorriam a Estrada Real, levando o ouro de Minas Gerais até o porto de Paraty e de lá para o Rio de Janeiro e Portugal.

Outra herança tornou a cidade o maior polo da cerâmica de alta temperatura da América Latina. Isso porque na década de 1970, artistas japoneses se instalaram na cidade, onde iniciaram seus trabalhos utilizando fornos a lenha, chamados de noborigama, e formaram novas gerações de ceramistas. Quem visitar a cidade pode apreciar esta arte milenar e comprar variadas peças de mais de 50 artistas da cidade.

Há ainda, muitas lojinhas e armazéns charmosos que vendem utensílios de cozinha vintage, como bules, canecas e jarras em ágata; artesanatos feitos com variadas matérias-primas; e peças de antiguidade.

Nesse passeio pela cidade, não se pode deixar de saborear os pratos típicos de Cunha, como truta, pinhão, queijos, mel, cordeiro e cogumelo shitake. Produtos que os chefs locais juntam com outros ingredientes para criar seus pratos em reconhecidos restaurantes pela excelência e qualidade.

A estância oferece ainda diversas opções de turismo rural, que inclui conhecer fazendas de cultivo de cogumelo shitake e de truta, apiários, queijarias, pesqueiros e alambiques. A cerveja artesanal também está ganhando espaço na cidade e é possível visitar as cervejarias e degustar a bebida.

Depois disso, é preciso conhecer as belezas naturais que o lugar oferece, como as cachoeiras do Pimenta, do Desterro e do Barracão. Além da Pedra da Macela, que em seu pico, a 1.840 metros de altitude, é possível apreciar a paisagem deslumbrante que inclui Paraty, a baía da Ilha Grande e parte de Angra dos Reis e todas as montanhas e serras que ficam no entorno de Cunha.

Entre os destaques está o Parque Estadual da Serra do Mar – Núcleo Cunha, onde o visitante também pode se banhar em suas cachoeiras e percorrer suas trilhas guiadas por monitores. São três ao todo, cada uma com um grau de dificuldade e distância: a do Rio Paraibuna, com 1,7 quilômetro, por uma das margens do rio onde há poços e cachoeiras; a do Rio Bonito, cuja trilha de 7,6 km é feita em um ambiente de floresta até a cachoeira da Laje; e a das Cachoeiras, que em seus 14,4 quilômetros oferece vários pontos de contemplação da Mata Atlântica até as cachoeiras do Ipiranguinha, que possui quatro quedas d’água.

Quem visitar a cidade pode escolher entre as mais de 60 pousadas para se hospedar, que oferecem um diversificado leque de opções e níveis de acomodação.

Como chegar

Cunha está a 230 quilômetros da capital paulista. O visitante deve seguir pela Rodovia Presidente Dutra (BR-116) até o Km 65, em Guaratinguetá. Entrando na cidade, seguir pela Rodovia Paulo Virgílio (SP-171) até Cunha.

Quem for de ônibus, também deve ir até Guaratinguetá. Na rodoviária há ônibus intermunicipal até Cunha. Os horários das partidas devem ser checados no local.

Para mais informações acesse: http://www.cunha.sp.gov.br/

JC Limeira - Todos os direitos reservados 2016 | Desenvolvido por FMTurati WebDesign