Clareamento dental sem orientação apresenta riscos para a saúde bucal

FGM apoia Anvisa na proposta de restrições a comercialização de clareadores dentais

clareamento-dentalDeixar o sorriso mais claro é um sonho para muita gente. Mas esse desejo pode acabar se transformando em uma grande dor de cabeça. Os kits de clareamento vendidos na internet e em lojas especializadas parecem inofensivos, mas, se utilizados da maneira errada e sem acompanhamento, podem resultar em danos para a saúde, causando desde a retração de gengiva inflamações da bochecha e dos lábios até, em casos extremos,lesões cancerígenas, gastrite e úlcera gástricas.
Para evitar que esse uso abusivo sem acompanhamento profissional seja cada vez mais frequente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), em uma iniciativa exemplar, colocou em discussão uma proposta para que determinados clareadores dentais sejam vendidos somente com prescrição de dentistas. A proposta de consulta pública está aberta a contribuições.
Os principais aspectos da ação são a restrição das propagandas de gel clareador apenas para profissionais e a comercialização de géis com concentrações específicas somente aos profissionais ou mediante receita. Além disso, clareadores desse tipo terão que trazer a expressão “Venda sob prescrição odontológica”. Os produtos fabricados e vendidos com a marca FGM, por exemplo, informam com destaque que se destinam ao uso profissional, contendo a mesma informação em sua embalagem e manual de instruções.
Segundo Bruno Lippmann, dentista consultor da FGM, todo paciente deve passar por um exame clínico e radiográfico em busca de eventuais problemas locais que possam contraindicar o clareamento. “Sempre que algum problema for encontrado, deve ser solucionado antes do início do tratamento, zelando pela saúde bucal”, aponta. Bruno explica que existem restrições para o clareamento como precaução. Gestantes, lactantes, pessoas com menos de 15 anos e pacientes com doenças descompensadas como diabetes devem ter atenção especial. “Normalmente, o paciente recebe o acompanhamento semanal com a finalidade de checar se está evoluindo nos resultados e ainda como suporte para eventuais intercorrências”, esclarece.
Para quem pensa em fazer o clareamento sem supervisão adequada, o dentista alerta: o maior erro é o de não realizar exames prévios ao tratamento. “Caso a pessoa apresente alguma alteração como cárie, recessões gengivais importantes (raiz dental exposta), restaurações infiltradas ou lascas em esmalte, o dente em questão poderá ter sua vitalidade ameaçada dependendo do gel e posologia utilizados”, frisa.
Segundo ele, a FGM apoia a iniciativa de restrição da Anvisa, pois sempre respeitou o papel dos profissionais da odontologia e prezou pelo bem-estar e saúde dos pacientes. A decisão de restringir a venda de clareadores dentais irá valorizar a atuação do cirurgião-dentista que aplica a técnica corretamente. “Procure seu dentista, informe-se e esclareça suas dúvidas. Clareamento dental com segurança deve ser feito apenas no consultório odontológico”, conclui Bruno.

Assessoria de Imprensa FGM Produtos Odontológicos. Jornalista responsável: Guilherme Diefenthaeler (reg. prof. 6207/RS). Texto: Karoline Lopes. Tel. (47) 3025-5999

JC Limeira - Todos os direitos reservados 2016 | Desenvolvido por FMTurati WebDesign